19 de agosto de 2016

Pastora é acusada de planejar sacrifício de criança supostamente possuída por demônios

Uma criança que supostamente estaria possuída por espíritos malignos escapou de um ritual que poderia terminar com seu sacrifício, diz a Polícia Militar do Distrito Federal. O caso envolve uma pastora evangélica e uma fiel.
A pastora Jacivã Pereira dos Santos, conhecida como Jaci, 44 anos, lidera a igreja Casa da Oração Pentecostal dos Escolhidos de Deus, em Ceilândia Norte (DF) e teria convencido uma fiel a manter a filha em cárcere privado e sem alimentação pois estaria possessa por demônios.
O relato de uma testemunha diz que a menina de 8 anos seria sacrificada em um ritual de exorcismo, que teria a participação da própria mãe e da pastora.
De acordo com informações do site Metrópoles, a pastora e a mãe da criança foram presas no momento em que a Polícia Militar resgatou a menina, que era mantida em um quarto no fundo do templo, sem móveis.
Em um vídeo feito pela PM, a menina diz que não podia se levantar porque a perna estava machucada, e que não ia à escola porque a mãe não deixava. Após uma audiência de custódia na Justiça do Distrito Federal, a mãe da criança e a pastora Jaci foram libertadas.

Possessão

Testemunhas relataram que a pastora Jaci teria influenciado quatro mães que frequentam a Casa da Oração Pentecostal dos Escolhidos de Deus a abandonarem seus filhos porque eles estariam com “o demônio no corpo”.
A solução oferecida por Jaci, segundo as testemunhas, seria se afastar das crianças e se divorciarem dos maridos, cortando também relações com todos os parentes, pois eles estariam “endemoninhados”.
No entanto, a denúncia encaminhada ao Conselho Tutelar aponta que a pastora Jaci teria motivação financeira, e por isso havia orientado as fiéis a se afastarem dos maridos e parentes, e assim, garantir que elas entregassem dízimos e ofertas.
Uma mulher que é parente de uma das fiéis que abandonou o filho, de apenas seis meses, depois que Jaci a convenceu de que ele estava possuído, corroborou a acusação, sob condição de permanecer anônima.
A fiel seria uma empresária no ramo da educação infantil, e mesmo assim, teria sido influenciada pela pastora: “Ela tem formação superior em pedagogia. Não se trata de uma pessoa humilde e sem instrução, mas teve a personalidade modificada por essa pastora. Ela foi convencida a largar o marido e a abandonar o filho de 11 anos com o pai. Por último, entregou o seu bebê de 6 meses para adoção simplesmente porque a pastora afirmou que todos estavam possuídos”, contou.
A ideia da pastora seria garantir o repasse das ofertas e dízimos sem que os parentes interferissem: “Como essa minha parente é dona de uma escola e fatura um bom dinheiro, a pastora recebe cerca de R$ 2 mil por mês com o dízimo”, contou a mulher, que revelou que a fiel empresária cortou relações com todos os parentes e deixou o bebê em um abrigo, aos cuidados da Vara da Infância e da Juventude (VIJ).
“Tentamos ficar com a criança, todos da família queriam, mas ela disse que o bebê estava com o demônio e que deveria morrer. Estamos tentando reaver a guarda”, desabafou.

Justificativa

A pastora, que passou aproximadamente 48 horas presa, reuniu os fiéis no templo após ser liberada para explicar o que tinha acontecido, e reiterou que a criança que havia sido mantida em cárcere privado estava com o “demônio no corpo”, e que poderia se tornar uma ameaça a todos.
“Qualquer hora ela poderia pegar e matar, né? Manifestar os demônios”, disse a pastora durante o culto. A reportagem do Metrópoles, que foi ao local, disse que a pastora fechou as portas do templo quando percebeu que estava sendo gravada.


Guarda

O pai da menina que foi mantida em cárcere privado procurou o Conselho Tutelar e disse que quer a guarda da filha, pois não sabia do que estava acontecendo porque não a via há cerca de dois anos.
A menina foi internada no Hospital Regional de Ceilândia (HRC) para se recuperar de um quadro de grave desnutrição, e recebeu a visita do pai.

Outro caso

O Conselho Tutelar vem investigando outro caso, que envolve um casal de servidores públicos. A pastora Jaci convenceu a mulher de que o marido e o filho estariam sendo “comandados pelo demônio”, apesar de ele também ser frequentador da igreja.

A forma de ação da pastora nesse caso teria sido idêntica aos demais, pois a mulher foi orientada a abandonar todos os familiares, e teria se divorciado do marido, deixando o filho com ele. Ela manteve as contribuições financeiras com a igreja.

VIa: Gospel+
Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial

0 comentários:

Postar um comentário

Comenta! Elogia! Critica! É tudo para o Reino!

Considere apenas:
(1) Discordar não é problema. É solução, pois redunda em aprendizado! Contudo, com modos.

(2) A única coisa que eu não aceito é vir com a teologia do “não toque no ungido”, que isto é conversa para vendilhão dormir... Faça como os irmãos de Beréia e vá ver se o que lhe foi dito está na Palavra Deus!
(3)NÃO nos obrigamos a publicar comentários ANÔNIMOS.
(5) NÃO publicamos PALAVRÕES.

“Mais importante que ser evangélico é ser bíblico” - George Knight .

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Visite

Seguidores

Google+ Followers

+


Comentários em Artigos!

Total de visualizações

Blogroll

"Se o mundo vos odeia, sabei que, primeiro do que a vós outros, me odiou a mim." – Jo 15.18

Marcadores

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

top social

WebEvangelistas -Google+

top navigation

Siga por e-mail

Blog Archive

Pesquisar este blog

Teste Teste Teste Teste

Marcadores

Anuncio!!