23 de janeiro de 2014

Quem matou Kaique? Pastores e gays se digladiam













Por Hermes C. Fernandes




A sociedade brasileira ficou chocada com a notícia da morte do jovem Kaique Augusto Batista dos Santos, de apenas 16 anos, na última semana em São Paulo. Além das suspeitas de suicídio, havia suspeitas de homicídio motivado por ódio devido à sua opção sexual. Kaique era homossexual. O jovem foi encontrado morto embaixo do viaduto da avenida Nove de Julho, sem os dentes e com fratura exposta na perna. A polícia tem trabalhado com duas hipóteses: os ferimentos podem ter sido feitos por agressão ou por uma queda do viaduto, e, neste caso, ele poderia ter pulado ou sido empurrado.


A ministra da Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República, Maria do Rosário, emitiu nota comentando a tragédia e defendendo uma legislação mais dura que puna crimes de ódio e intolerância motivados por homofobia. Segundo a ministra, o número de homossexuais vítimas de homicídio tem aumentado nos últimos anos.


O caso parecia caminhar na direção da confirmação de homicídio até que a mãe de Kaique veio a público afirmando que estava convencida de que o jovem teria cometido suicídio. Ela teria chegado a esta conclusão depois de analisar o diário deixado pelo filho, conversar com seus amigos, e descobrir que seu filho estava numa depressão profunda.


Foi o bastante para que líderes evangélicos manifestassem seu descontentamento com a nota da ministra, bem como com as alegações do deputado Jean Wyllys, acusando a ala mais fundamentalista dos cristãos pelo ódio incitado aos homossexuais em seu discurso religioso.


Considerando a hipótese de suicídio, isso não diminuiria em nada a nossa responsabilidade em sermos mais cuidadosos na apresentação e defesa de nossos valores. Por que digo "mais cuidadosos"? Porque percebo certa displicência na maneira como abordamos a questão da homossexualidade. Até o tom de voz de alguns parece denotar certa ojeriza, para não dizer ódio, não apenas à prática, mas também aos que optaram por ela.


As únicas vezes em que nos deparamos com Jesus vociferando contra o pecado, o público alvo era dos fariseus e religiosos de Sua época. Com as prostitutas e marginalizados, Jesus procurava ser gentil e cordial. Ele jamais entrou num prostíbulo quebrando tudo e colocando meretrizes e clientes para correr. Mas fez isso no templo, denunciando os mercadores da fé. Os líderes atuais parecem tomar o caminho inverso. Somos extremamente cordiais uns com os outros (mesmo que alguns estejam vivendo hipocritamente), mas provocantemente insultuosos com os que vivem aquém do padrão moral que abraçamos, principalmente os homossexuais.


Faríamos bem em dar ouvidos a Jesus: "Tomai sobre vós o meu jugo, e aprendei de mim, que sou manso e humilde de coração; e encontrareis descanso para as vossas almas" (Mt.11:29).


Até que ponto nosso discurso não tem servido de munição para este tipo de preconceito? Por que não pregamos também contra o pecado da discriminação? Por que classificamos a homossexualidade como pecado, ao passo que colocamos panos quentes sobre a homofobia? Isso é, no mínimo, uma incoerência inescrupulosa.


O que teria levado o jovem Kaique a cometer tal desatino? Podemos imaginar quantobullying não sofreu? Os olhares preconceituosos? As brincadeiras de mal gosto?


Tenha sido homicídio ou suicídio, o preconceito e o ódio foram a munição que o matou.


Como cristãos, deveríamos chorar a sua morte como quem chora a morte de um filho. Chega de ficar procurando culpados ou de querer capitalizar politicamente o ocorrido. Neste caso, a carapuça serve tanto para os líderes evangélicos, quanto para a militância gay.


Se tantos outros "Kaiques" se sentissem amados em vez de rejeitados e escorraçados, talvez houvesse menos violência contra gays e suicídios. Então, vamos combinar uma coisa? Quando tratarmos de qualquer assunto que atinja a alma humana, sejamos menos raivosos e mais compassivos e amorosos. Parafraseando Jung: "Conheça toda a teologia, domine todas as doutrinas e dogmas, mas ao tocar uma alma humana, seja apenas outra alma humana."


E quem também tiver pecados, que atire a primeira flor, porque de pedradas o mundo está farto.

Fonte: http://www.hermesfernandes.com/2014/01/quem-matou-kaique-pastores-e-gays-se.html
Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial

0 comentários:

Postar um comentário

Comenta! Elogia! Critica! É tudo para o Reino!

Considere apenas:
(1) Discordar não é problema. É solução, pois redunda em aprendizado! Contudo, com modos.

(2) A única coisa que eu não aceito é vir com a teologia do “não toque no ungido”, que isto é conversa para vendilhão dormir... Faça como os irmãos de Beréia e vá ver se o que lhe foi dito está na Palavra Deus!
(3)NÃO nos obrigamos a publicar comentários ANÔNIMOS.
(5) NÃO publicamos PALAVRÕES.

“Mais importante que ser evangélico é ser bíblico” - George Knight .

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Visite

Seguidores

Google+ Followers

+


Comentários em Artigos!

Total de visualizações

Blogroll

"Se o mundo vos odeia, sabei que, primeiro do que a vós outros, me odiou a mim." – Jo 15.18

Marcadores

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

top social

WebEvangelistas -Google+

top navigation

Siga por e-mail

Blog Archive

Pesquisar este blog

Teste Teste Teste Teste

Marcadores

Anuncio!!