29 de janeiro de 2013

Uma Refutação ao artigo "Contingência, Sofrimento e Deus" de Ricardo Gondim


.


Por Jairo Rivaldo

Não posso ficar calado diante de tamanha distorção teológica. As declarações do senhor Ricardo Gondim são uma afronta ao cristianismo bíblico e histórico, uma ofensa ao Deus que se revelou através das escrituras (veja aqui o texto do Gondim em questão). O que segue abaixo é uma breve refutação de declarações infundadas proferidas por alguém que se autodenomina cristão e pastor. 

“Afirmar que uma tragédia pode ser evitada implica em que ela não foi orquestrada por uma divindade. Na contingência fatos ocorrem sem alguma razão que os explique ou justifique, e que escaparam da engrenagem de causa e efeito. Se o teto de uma igreja cai, um avião despenca, uma boate pega fogo, é porque o mundo contém espaço para acidentes – causados por negligência, falha humana ou mecânica- e podem matar sem que se atrelem a fado, destino, punição ou plano de Deus”. Ricardo Gondim

Refutação:

Dizer que a morte de alguém ocorre à parte do plano de Deus é no mínimo ofender o Deus das escrituras, pois está escrito que Ele determina o nosso nascimento “Mas Deus me separou desde o ventre materno e me chamou por sua graça. Quando lhe agradou” (Gl 1:15); E morte “Quem de vocês, por mais que se preocupe, pode acrescentar uma hora que seja à sua vida?” (Mt 6:27).

“Sem atinar, muitos repetem a crença de que só se morre quando chega a hora. Para que tal afirmação seja verdadeira, destino precisaria vir escrito com “d” maiúsculo, pois necessitaria de inteligência e controle para reunir em uma casa de espetáculo, avião ou ônibus, todas as pessoas destinadas a morrer naquele dia específico. Acreditar assim concede à fatalidade um poder apavorante: imaginar que jovens, seduzidos por uma orquestração oculta, entraram como gado no matadouro.

"Da mesma forma, muitos tentam encadear os eventos acidentais da vida, supondo que Deus “permite” sinistros com algum propósito. Querem dizer que cada pessoa, com histórias, projetos, sonhos, viu-se arrancada da existência “porque Deus assim quis”. O objetivo de Deus seria um mistério que ninguém entende e será revelado a longo prazo?”. Ricardo Gondim

Refutação:

Não existe um destino com “D” maiúsculo, assim também como não existe um deus com “d” minúsculo. O Deus que se revelou nas escrituras controla cada aspecto da sua criação “O Senhor estabeleceu o seu trono nos céus, e como rei domina sobre tudo o que existe” (Sl 103:19). Nada pode acontecer fora do plano de Deus “Nele fomos também escolhidos, tendo sido predestinados conforme o plano daquele que faz todas as coisas segundo o propósito da sua vontade” (Ef 1:11). Nossa insubmissão rebelde tende a retrucar contra a vontade de Deus, mas nada pode frustrar os seus planos “Sei que podes fazer todas as coisas; nenhum dos teus planos pode ser frustrado” (Jó 42:2). Sim, todas as coisas acontecem porque em última instancia Ele quis.

“Como ter fé em um Deus que "deixa" rapazes e moças se pisotearem até a morte? Ele utiliza eventos macabros para ensinar as pessoas a terem medo dele? Esse é o seu jeito de produzir arrependimento? Tal entendimento faria com que a biografia de cada indivíduo que se perdeu fosse descartável. Deus precisaria, inclusive, manter-se frio, desprezando as lágrimas de mães e pais. Alguns chegam a ensinar que o Divino Oleiro faz o que quer e não podemos questioná-lo. Deus mata, afoga, asfixia e dá as costas em "vontade permissiva" porque deve conduzir a macro história para a sua glória final? Nas grandes tragédias, alguns se contentam em explicar os eventos através da doutrina do controle absoluto. Afirmam que Deus tem todo o poder e não seria difícil para ele reunir em um só lugar as pessoas que deveriam morrer. Um Deus com requintes desse maquiavelismo, não passaria de um demônio. Deus é bom. Satisfaz pensar que na divina economia Deus ainda vai compensar a morte absurdamente desnecessária de tantos jovens? Difícil explicar tal conceito aos pais, avós e parentes que sonharam em vê-los terminando a faculdade, casando e tendo filhos. Bastaria falar da vida depois da morte para consolar mais de duzentas mães acorrentadas à trágica realidade de que Alguém lhes roubou a razão de viver?”. Ricardo Gondim

Refutação:

Respondendo à sua pergunta, “Como ter fé em um Deus que “deixa” rapazes e moças se pisotearem até a morte? Ele utiliza eventos macabros para ensinar as pessoas a terem medo dele? Esse é o seu jeito de produzir arrependimento?

As pessoas (não regeneradas) tendem a fabricar um “deus” segundo a sua própria imaginação e vontade. O Deus revelado nas escrituras não precisa dar satisfações ao homem “Todos os povos da terra são como nada diante dele. Ele age como lhe agrada com os exércitos dos céus e com os habitantes da terra. Ninguém é capaz de resistir à sua mão nem de dizer-lhe: "O que fizeste? " (Dnl 4:35). O próprio ato de fé do homem não acontece porque o homem só viu atos que ele interpretou como “amorosos” vindos desse Deus; muito pelo contrário, os homens que compõem a galeria dos “heróis da fé” em Heb 11 foram testemunhas dos atos nada “amorosos” desse Deus ao longo da história da redenção. Por exemplo, Noé viu o mundo antigo ser destruído pelo dilúvio (lembrando que ali existiam mulheres, velhos, jovens e crianças), Abraão viu as cidades de Sodoma e Gomorra serem subvertidas pelo fogo de Deus, Moises viu milhares de israelitas serem mortos pela mão de Deus no deserto, e poderíamos citar mais dezenas de exemplos do modo desse Deus agir. A fé e o arrependimento não são gerados no coração do pecador quando Deus age conforme os nossos gostos e preferências, mas sim, quando ouvimos a sua Palavra (Rm 10:17), a fé e o arrependimento são dons de Deus (Ef 2:8; At 11:18).

“A ideia de que Deus tem um plano para cada morte se esvazia diante dos números. Aviões caem, ônibus tombam, boates incendeiam. Todos os dias incontáveis acidentes acontecem. Como explicar as balas perdidas, os erros médicos e os atropelamentos provocados por bêbados? Todos cumprem alguma ordem ou são inevitáveis? Uma senhora de nossa comunidade caiu da laje de sua casa em construção, quebrou a coluna e ficou paraplégica. Ela fotografava a obra para que a filha lhe ajudasse nas despesas do acabamento. A mais tosca explicação que a teologia poderia dar ao seu infortúnio é que Deus tem um plano para deixá-la paralítica ou a puniu por algum pecado”. Ricardo Gondim

Refutação:

Definitivamente, não cremos no mesmo Deus. O seu é totalmente limitado “pelos números”, o meu controla:

O universo em geral (Sl 103.19; Dn 5.35; Ef 1.11).

O mundo físico (Jó 37.5; Sl 104.14; 135.6; Mt 5.45).

A criação inferior (Sl 104.21, 28; Mt 6.26; 10.29).

Os negócios das nações (Jó 12.23; Sl 22.28; 66.7; At 17.26).

O nascimento do homem e sua sorte na vida (1 Sm 16.1; Sl 139. 16; Is 45.5; Gl 1.15, 16).

As vitórias e fracassos que sobrevêm às vidas dos homens ( Sl 75.6, 7; Lc 1.52).

As coisas aparentemente acidentais ou insignificantes (Pv 16.33; Mt 10.30).

Na proteção dos justos (Sl 4.8; 5.12; 63.8; 121.3; Rm 8.23).

No suprimento das necessidades do povo de Deus( Gn 22.8, 14; Dt 8.3; Fp 4.19).

Nas respostas à oração ( 1 Sm 1.19; Is 20.5, 6; 2 Cr 33.13; Sl 65.2; Mt 7.7; Lc 18.7, 8).

No desmascaramento e castigo dos ímpios (Sl 7.12, 13; 11.6).

“Jesus considerou em seus ensinos um mundo contingente. Contradizendo a religiosidade popular judaica, ele desconectou a queda de uma torre de qualquer desígnio divino. Não concordou com a insinuação dos discípulos de que a cegueira de um mendigo era consequência do pecado dele ou de seus antepassados. No Sermão do Monte, Cristo advertiu os seus seguidores de que mesmo alicerçando a casa sobre a rocha, eles não seriam poupados dos ventos contrários e da tempestade”. Ricardo Gondim

Refutação:

Na verdade não vejo como Jesus (segundo você) tenha desconectado o evento da queda da torre (Lc 13:1-5) do desígnio divino, o que claramente Ele desconecta, é a ideia errônea dos judeus de se acharem melhores do que os galileus. Por essa razão ele os chama ao arrependimento. Nós não somos melhores do que os que morreram naquela boate, deveríamos ficar surpresos pelo fato de que algo assim também não tenha ocorrido conosco. Por isso, devemos viver para a glória de Deus uma vida de constante arrependimento. Contudo, devemos estar conscientes que o modo ou o tempo da nossa morte não nos pertencem.

“O mundo das relações, devido ao amor, precisa de liberdade, e essa liberdade produz contingência. Portanto, acidentes, percalços, incidentes, fazem parte da condição humana. O contrário seria absoluta segurança. Sem a ameaça do sofrimento, sem a possibilidade da morte prematura, não enfrentaríamos ameaça de espécie alguma. Acontece que a ausência da contingência nos desumanizaria. A consciência do risco de adoecer e a imprevisibilidade da morte súbita, embora angustiantes, são o preço que pagamos por nossa humanidade. Jesus encarnou a compaixão de Deus, (compadecer significa sofrer junto), para nos mostrar que Deus sabe do risco de viver. Ele reconhece que mal e bem acontecerão no espaço da liberdade, por isso, oferece o ombro e as lágrimas. Deus não deseja que nossa vida se perca no inferno da dor.
Qualquer desastre revela a inutilidade de pensar que o exercício correto da religião ou a capacidade tecnológica bastam para anular a contingência. A vida será sempre imprecisa e efêmera. Diante da possibilidade do sofrimento, aprendamos a chorar com os que choram”.Ricardo Gondim

Refutação:

A alegação de que amor pressupõe liberdade, e que essa liberdade produz acidentes incontroláveis não condiz com o ensino bíblico de que Cristo (Deus) “sustenta todas as coisas pela Palavra do seu poder” (Hb 1:3). Nada que fazemos está livre do controle de Deus. Ao contrário do que você afirma, não somos desumanizados diante do controle absoluto de Deus, somos colocados no nosso devido lugar!

Em fim, ao ressaltar o aspecto da compaixão de Deus de forma exacerbada, e fazer dele uma caricatura, você claramente desvirtua a missão de Cristo, fazendo dele uma espécie de “sofredor com os sofredores”, e não aquele que veio morrer por pecadores indignos de viver e perfeitamente merecedores da condenação.

A ordem: “chorai com os que choram” foi dada à igreja de Roma (Rm 12:15), onde Paulo mostrou através de uma exposição singular, o caráter absoluto da soberania de Deus (Rm 9-11). Devemos chorar com os que choram pela morte dos seus, não por que foi mera contingência, mas porque devemos obedecer a Palavra daquele que faz todas as coisas segundo a sua sábia e perfeita vontade.

Agora sim, SOLI DEO GLÓRIA!!!

_______________________
- Sobre o autor: Jairo Rivaldo da Silva, Casado com Raabe, Toritamense, Pernambucano, Seminarista, Presbiteriano, Reformado, Calvinista.
Via: Bereianos
Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial

6 comentários:

  1. Comecei a ler o texto e logo que li o primeiro trecho do Ricardo, notei que esse seria um texto para destruir com ele (isso tá na moda!) e se prender a palavras exatas que foram escritas por ele ou pela bíblia vociferando em cima da sua própria interpretação.

    Eu creio na Bíblia e entendo as indagações do Ricardo.

    Durante muito tempo não indagava Deus, pois alguns me diziam que isso era uma afronta, mas depois de amadurecer, notei que se Deus me deu um cérebro é pra que eu utilize.

    Assim como eu, tenho certeza que ele é cristão e acredita sim em um Deus soberano e cheio de amor e nota que há alguma ponta solta, quando se depara com os acontecimentos da vida, acontecimentos tão macabros, mas que são assistidos por cristãos salivantes que se defendem no argumento de que isso acontece mesmo com "pessoas não regeneradas".

    Que Deus responda às dúvidas daqueles que pensam e questionam com sua imensa misericórdia e amor, pois tenho certeza que Ele não nos mata com discursos maldosos como esse texto.

    A intenção aqui não é refutar pra ensinar alguns e sim refutar pra matar um...triste!

    Não conheço o Ricardo Gondin, nunca o vi, mas que Deus o guarde em amor e sabedoria.

    Que a paz de Cristo seja sobre todos nós.

    ResponderExcluir
  2. Ricardo Godin precisa e com urgência se converter ao Deus que ele, hoje demonstra por atitudes e palavras que só ouviu falar, mas não conheceu. Com certeza existem muitas pessoas orando para isso.

    Luís

    ResponderExcluir
  3. Esses calvinistas acham que Deus está dentro da forma deles.

    ResponderExcluir
  4. Rebater com texto fora de contexto é fácil. Vc é bem fraquinho ein? Aff

    ResponderExcluir
  5. para que evangelizar? Deus já tem seus escolhidos, de alguma maneira o nosso ide é pura utopia...para que tentarmos pregar o arrependimento? Deus já escolheu, não importa o que façamos...bebamos e comamos pois amanhã estaremos com ele...se já está tudo determinado, se Deus já conhece tudo o que irá acontecer, insenssível ao choro de mães e pais, que perderam seus filhos, seus sonhos, seus planos, insenssível as guerras( elas já eram do conhecimento de Deus e estava nos seus planos; independente de todo sofrimento...); então lhe pergunto do que serve para que serve minha intersseção, se ela não é a possibilidade de mudarmos as consequencias de nossos pecado, se já está determinado...será que Dante não estava então certo, ao dizer que somos apenas palhaços no palco da vida em uma divina comédia do capricho dos deuses se ele já determinara, conhecia e tinha escrito o roteiro, e nada pode muda-lo, pois quem conhece, e nada faz para mudar esta tragicomédia, que é o nosso mundo, em nome de meia dúzia de gatos pingados(144 mil de acordo com os mais radicais...) é no minimo incoerente ao dizer que ele veio para que todos fossem levados ao arrependimento...

    ResponderExcluir
  6. Caro irmão... ne explica uma coisa...
    Estêvão foi apedrejado, aos pés de Paulo. Na sua opinião, Deus:
    - Sabia e deixou Estêvão ser martirizado
    - Não apenas sabia como também planejou tudo, einflamou o ódio nos judeus para que Estâvão fosse logo para o Céu
    - Não sabia pois o futuro não existe

    ResponderExcluir

Comenta! Elogia! Critica! É tudo para o Reino!

Considere apenas:
(1) Discordar não é problema. É solução, pois redunda em aprendizado! Contudo, com modos.

(2) A única coisa que eu não aceito é vir com a teologia do “não toque no ungido”, que isto é conversa para vendilhão dormir... Faça como os irmãos de Beréia e vá ver se o que lhe foi dito está na Palavra Deus!
(3)NÃO nos obrigamos a publicar comentários ANÔNIMOS.
(5) NÃO publicamos PALAVRÕES.

“Mais importante que ser evangélico é ser bíblico” - George Knight .

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Visite

Seguidores

Google+ Followers

+


Comentários em Artigos!

Total de visualizações

Blogroll

"Se o mundo vos odeia, sabei que, primeiro do que a vós outros, me odiou a mim." – Jo 15.18

Marcadores

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

top social

WebEvangelistas -Google+

top navigation

Siga por e-mail

Blog Archive

Pesquisar este blog

Teste Teste Teste Teste

Marcadores

Anuncio!!