19 de dezembro de 2011

Festival Promessas: Como ovelhas levadas ao matadouro


Por Hermes C. Fernandes 
Jamais poderíamos imaginar que um dia a Rede Globo promoveria um festival de música cristã. É claro que suas motivações são meramente comerciais, e não poderia ser diferente. Pensar o contrário é assinar um atestado de ingenuidade, pra não dizer outra coisa. Porém, não acho que deveríamos apedrejá-la por isso. A abertura concedida demonstra que a Vênus Platinada reconhece o potencial comercial desse promissor filão. 

Enquanto a Globo celebra o sucesso da audiência, os evangélicos celebram o fato de terem conquistado a terra prometida. Chegamos ao topo! Agora seremos respeitados. Acabaram as perseguições. Essas seriam algumas das conclusões a que chegaram os adeptos da religião que mais cresce no Brasil.

Tenho a impressão de já ter visto este filme antes por pelo menos duas vezes. Na primeira, quando Herodes pede que os Magos lhe informem sobre o paradeiro do recém-nascido Jesus, tão logo o encontrassem. Suas intenções, porém, não era adorá-lo, como alegava, mas eliminá-lo. O rei fajuto da Judéia sentia-se ameaçado pelo cumprimento das profecias. A concorrência tinha quer ser calada. Ninguém podia ter mais IBOPE que ele. Que bom que os Magos, avisados pelo anjo, não voltaram mesmo caminho. O outro episódio que nos remete à inusitada aproximação entre a mídia secular e os evangélicos é o da pseudo-conversão de Constatino, imperador romano. Cessaram-se as perseguições. O cristianismo tornou-se na religião oficial do império. Constantino parece ter aderido à máxima: se não pode com eles, junte-se a eles. O preço pago pela pax romana foi altíssimo. O cristianismo tornou-se numa colcha de retalhos, assimilando todo tipo de religiosidade praticado pelos povos dominados por Roma. 

Não julgo a Rede Globo. Acho até louvável a iniciativa. Apesar disso, não nutro uma visão romântica e ingênua de sua aproximação dos evangélicos.  

Penso que seria preferível que cantores e artistas cristãos se infiltrassem na mídia secular como cantores e artistas seculares, porém, comprometidos com os princípios e valores do Reino. 

Veja, por exemplo, o caso do menino prodígio Jotta A. Mesmo assediado por gravadoras seculares, preferiu assinar contrato com a gravadora de Silas Malafaia. Com a popularidade alcançada por ele junto ao público secular, seria melhor que ele se engajasse numa carreira secular, e aproveitasse a fama para divulgar através de suas músicas os valores da fé cristã. Como tomou outro rumo, vai ficar estigmatizado como cantor gospel, com um público reduzido ao gueto religioso. Sinceramente, acho um desperdício. Alguém argumentou comigo dizendo que seria duvidoso que um menino nessa idade começasse uma carreira secular sem desviar-se da fé. Meu contra-argumento é que seria mais fácil que ele se desiludisse quando adentrasse o meio gospel, e verificasse a hipocrisia com que vivem muitos dos seus astros. 

Cantores que fazem de sua carreira um ministério, deveriam dedicar-se exclusivamente ao louvor e à evangelização. O problema é que iniciativas como o Festival Promessas e programas como o do Raul Gil, do Faustão e da Xuxa, fazem inflacionar o mercado gospel. Se aqueles cantores que se apresentaram no Festival já cobravam cachês exorbitantes, imagine agora. Entre eles, há quem cobre 60 mil reais para supostamente louvar a Deus. Ora, se é para ganhar dinheiro com isso, que se tornem cantores seculares. Certamente seria mais digno e produtivo, inclusive para o Reino de Deus. Quanto aos que se dedicam ao ministério, que se contentem em viver de ofertas voluntárias e das vendas de seus Cd's.

O mercado gospel anda tão promissor (daí o festival chamar-se 'promessas'), que muitos artistas seculares já anunciaram que vão gravar Cd's dedicados a este filão, entre eles, Latino e Belo. O público evangélico fornece um enorme rebanho, ovelhas cheias de lã, prontas para serem tosquiadas.

Se, de fato, o objetivo dos cantores que lá se apresentaram era evangelização, então, por que escolheram cantar canções sem qualquer apelo evangelístico, cheias de clichês e jargões somente compreensíveis no meio evangélico?

Foi uma oportunidade e tanto. Disso ninguém duvida. Mas terá sido aproveitada adequadamente? 

Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial

2 comentários:

  1. Concordo contigo, você fez uma critica cociente do que esta falando, como alguém que refletiu bem sobre o assunto em questão. Também não sou a favor dos chamados "artistas gospel" ou "estrelas de Cristo" exatamente por estes motivos que você sabiamente postou.
    Mas fico triste em ver que alguns dos que se dizem cristãos radical começaram a descer a lenha indo no embalo de outros, sem nem ao menos parar para refletir sobre o evento. O que eu pude observar através dos comentários nas redes, é que temos uma gama de cristãos chamados "radicais" que nada mais são do que eco de vozes que soam nas redes sociais. Devemos como cristãos analisar tudo de acordo com as escrituras e não sair apedrejando que nem louco todas as vezes que alguém que consideramos digno de confiança afirmar algo a respeito de outros.
    Devemos lembrar que mesmos que estes artistas gospel estejam errados não podemos julga-los pois cabe ao Pai assim o fazer, e que aquele que esta de pé cuide para que não caia.
    Também não entendi o espanto, pois é necessário que tudo isto aconteça, pois a palavra tem que se cumprir.
    Faz tempo que estes cantores se entregarão ao deus deste século (mamom).
    Vamos ver cada vez mais uma banalização do evangelho, ser crente esta virando moda pois as pessoas querem lideres que falem aquilo que elas querem ouvir.
    Crente até o diabo é, e treme. Ser cristão verdadeiro é outra coisa, ai é só pra que aguenta.

    ResponderExcluir
  2. VÍ TÃO SOMENTE A PSEUDA ADORAÇÃO DA MULTIDÃO QUE ADORA UM SHOW DE GRAÇA, SE FOSSE PAGO, MUITOS NÃO IRIAM, DEZ PARA A GLOBO ($) E ZERO PARA O "povo de DEUS"

    ResponderExcluir

Comenta! Elogia! Critica! É tudo para o Reino!

Considere apenas:
(1) Discordar não é problema. É solução, pois redunda em aprendizado! Contudo, com modos.

(2) A única coisa que eu não aceito é vir com a teologia do “não toque no ungido”, que isto é conversa para vendilhão dormir... Faça como os irmãos de Beréia e vá ver se o que lhe foi dito está na Palavra Deus!
(3)NÃO nos obrigamos a publicar comentários ANÔNIMOS.
(5) NÃO publicamos PALAVRÕES.

“Mais importante que ser evangélico é ser bíblico” - George Knight .

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Visite

Seguidores

Google+ Followers

+


Comentários em Artigos!

Total de visualizações

Blogroll

"Se o mundo vos odeia, sabei que, primeiro do que a vós outros, me odiou a mim." – Jo 15.18

Marcadores

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

top social

WebEvangelistas -Google+

top navigation

Siga por e-mail

Blog Archive

Pesquisar este blog

Teste Teste Teste Teste

Marcadores

Anuncio!!