29 de maio de 2012

A mentira da autoajuda.



Lembro-me da época em que assistia à televisão que, ao ligá-la tarde de noite, era possível ver anúncios de máquinas, supostamente revolucionárias, que mudariam a nossa vida, nos ajudariam a perder peso e nos deixariam em forma. São máquinas lançadas por pessoas bem conhecidas: o ator Chuck Norris ou alguém parecido que demonstra enorme capacidade física e está em forma invejável. A promessa é a mesma: com menos de dez minutos diários no tal aparelho e você entrará em forma se tão somente comprar a máquina de exercício estacionário. A promessa é que você poderá realizar este milagre de transformação na privacidade do seu lar, e com o mínimo de esforço. As máquinas foram desenvolvidas de tal maneira que, quando não estiverem em uso, cabem convenientemente debaixo da cama ou no armário. É bom, também, que seja o caso, pois é onde elas irão permanecer, após apenas alguns dias de uso.

Isso não é algo para pessoas muito sagazes, não é? Bem, confesso que já comprei uma ou duas delas. Geralmente vem pelo correio e, ao desembrulhar a geringonça, constatando que está tudo em ordem, faço o meu “test drive” e constato que realmente exige muito pouco esforço. Mas, com pouco tempo, ela se junta às outras máquinas que mantenho debaixo da cama ou dentro do armário. Por outro lado, quando eu me inscrevo numa academia ou arrumo um companheiro para caminhar na praia comigo, meu progresso é maior e a duração da minha disciplina é infinitamente melhor. Por que será?

As máquinas vendidas pela televisão são um tipo de “autoajuda”. Em outras palavras, você pode, com a ajuda desta máquina, se ajudar. Sozinho, e sem um compromisso com quem quer que seja, pode resolver todos os seus problemas. Até hoje não achei uma máquina que desse jeito em mim e na minha tendência de ficar acima do meu peso ideal. Não consegui fazer com que os meus músculos abdominais se aproximassem à forma tão invejável ostentado pelos verdadeiros profissionais do fisiculturismo. Continuo lutando contra o garfo e contra o sedentarismo. A razão desse fracasso é muito óbvia, mas poucos a compreendem: autoajuda não ajuda ninguém.

Se eu preciso de ajuda, não sou eu que vou conseguir me ajudar. É uma questão muito simples de lógica. Ajuda é algo que alguém presta a outro. No fundo, acho que a indústria de autoajuda beneficia principalmente os que fabricam e promovem essas máquinas, que cabem convenientemente no meu armário. Sim, eles se ajudam pela minha credulidade, enriquecendo às minhas custas.

Autoajuda é um conceito que não se limita às máquinas de exercício, é claro. Há montanhas de livros, escritos com rios de tinta, que oferecem uma maneira de caminharmos com Deus, melhorar a nossa vida devocional e nossa compreensão das Escrituras, levando-nos a novas alturas da fé. “7 Chaves do Sucesso”, “Cinco Passos para Alcançar a Sua Vitória” e coisas do gênero. Livros que prometem que você pode ser tudo o que sempre quis ser, em Deus. Você pode ser bem-sucedido, feliz, ter relacionamentos que preenchem todos os seus desejos afetivos, ser mais do que vencedor, ter seu próprio negócio, vencer todos os desafios da vida. Basta comprar o livro (que também cabe convenientemente debaixo da sua cama, no seu armário ou numa prateleira, de onde provavelmente nunca sairá, após a sua leitura).

Os livros ajudam muito os que os escrevem. Esses que prometem prosperidade são pessoalmente muito prósperos. Esses que prometem vitória são exemplos vivos de quem teve uma ideia e por meio dela lucraram horrores.

Tanto no âmbito de saúde quanto no da fé, a privatização de disciplina já se mostrou uma rua sem saída. É um engodo. Pois ninguém se ajuda a si mesmo. Ajuda é algo que requer duas pessoas, no mínimo. Requer um que ajude e outro que esteja precisando dessa ajuda. Autoajuda é comparável a tentar sair do chão se levantando ao puxar os cadarços dos seus sapatos. Mas eu não posso me levantar sozinho.

A cultura “cristã” de autoajuda é uma mentira. Ela nos condena a surtos de entusiasmo seguidos por desistência e depressão. Muitos estão desiludidos com Deus. Mas Deus não tem nada a ver com essa desilusão. A desilusão é culpa da privatização da fé. Por achar que podemos caminhar vigorosamente com Deus na privacidade do nosso lar, temos rompido com a única maneira de realmente crescer e achar o caminho da fé. Esse caminho não é solitário. Também não é um caminho que podemos trilhar com apenas dez minutos diários de “flexões” espirituais, palavras positivas ou declarações de posse.

Não será uma coleção de afirmações ou leituras minúsculas que vão me ajudar a galgar o caminho com Deus. Será em comunhão com irmãos, numa aprendizagem que vai me custar muito mais do que dez minutos no meu quarto antes de dormir. A vida espiritual ocupa cada centímetro da minha vida “normal”. Assim como saúde é algo que exige de mim uma mudança de mentalidade – que envolve como eu como, como eu gasto o meu tempo, a priorização de alguma atividade normal e sem a ajuda da maquininha mágica – a vida espiritual exigirá de mim uma vida em comunhão e sob a liderança de uma pessoa real, de carne e osso. Os que passam na TV são seres virtuais para nós. Não apertamos a sua mão. Não estão do nosso lado para responder as nossas perguntas. Não choram conosco. Mas, quando compramos os seus livros e seguimos os seus planos de sucesso, quem realmente se dá bem são eles. Sim, eles vão rindo para o banco.

Senhor, ajuda-nos e ensina-nos a buscar a ajuda verdadeira nos que estão do nosso lado nesta estrada da fé.

Na paz,
+W

Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial

0 comentários:

Postar um comentário

Comenta! Elogia! Critica! É tudo para o Reino!

Considere apenas:
(1) Discordar não é problema. É solução, pois redunda em aprendizado! Contudo, com modos.

(2) A única coisa que eu não aceito é vir com a teologia do “não toque no ungido”, que isto é conversa para vendilhão dormir... Faça como os irmãos de Beréia e vá ver se o que lhe foi dito está na Palavra Deus!
(3)NÃO nos obrigamos a publicar comentários ANÔNIMOS.
(5) NÃO publicamos PALAVRÕES.

“Mais importante que ser evangélico é ser bíblico” - George Knight .

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Visite

Seguidores

Google+ Followers

+


Comentários em Artigos!

Total de visualizações

Blogroll

"Se o mundo vos odeia, sabei que, primeiro do que a vós outros, me odiou a mim." – Jo 15.18

Marcadores

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

top social

WebEvangelistas -Google+

top navigation

Siga por e-mail

Blog Archive

Pesquisar este blog

Teste Teste Teste Teste

Marcadores

Anuncio!!