19 de junho de 2012

O Lamento de CRISTO...





(Mat. 23:37)

O ser humano é livre por natureza. Por ter sido criado a imagem e semelhança do Pai, possui a opção de escolha. É um ser volitivo.

Temos a capacidade de decidirmos, de escolhermos. Podemos querer ou não. Podemos fazer ou não. Não fomos criados para sermos marionetes manipuláveis, mas seres idênticos ao Pai, com personalidade, moral, caráter e volitividade.

Até que houve a desobediência. Tentado a ser “mais parecido” com o Pai do que já era o homem desobedeceu a orientação divina e tomou uma decisão equivocada. Imagine o lamento do Pai. A frustação em ver sua criação, dotada de características singulares, optando em desobedece-lo.

A partir daí, inicia-se a saga do PAI, que respeitando a volitividade do homem, passa a dar-lhe a escolha da reconciliação. De retornar à uma vida de obediência e liberdade ao seu lado.

Cristo é o ápice da saga. É a manifestação total de Deus quando mostra ao homem seu grande amor, a ponto de dar-se a Si mesmo em favor de sua criação.
Afinal de contas, que Pai não o faria? Que pai não faz de tudo pelo bem estar de seu filho? Que pai não passa dificuldade no afã de suprir carências ou deficiências de seu filho? Se conseguirmos entender isso, compreenderemos com maior clareza a manifestação do Pai de Amor em nosso favor.

Mas como tudo na vida do homem é questão de escolha, muitos optaram, ao longo da história, em voltar-lhe as costas. O texto lido é um lamento de Deus pela atitude de muitos.

- UM LAMENTO PELAS ESCOLHAS EQUIVOCADAS:

Acreditando saber o que está fazendo, o homem toma atitudes que destroem sua própria vida. Isso acontece comigo, com você e aconteceu no passado. Esse é o motivo do lamento de Jesus. Depois de tudo que Deus tinha feito ao longo da história e, agora, através do Filho, ainda assim muitos não o quiseram dar ouvidos.

Preferiram continuar vivendo da maneira que achavam melhor. Como um filho que acha que sabe o que faz e rechaça os conselhos de pai e mãe.

Como no caso de Janet (fictício). JANET enfrentou sérios problemas familiares em sua infância. Nunca teve uma família normal, sem saber quem era seu pai, o paradeiro do restante da sua família, foi criada pela mãe apenas. Uma mulher batalhadora, mas solitária e amarga. Janet sempre se viu como inferior aos outros, mas sonhava como toda menina. Queria uma família bonita, uma bela casa e uma vida normal.

Casou-se com um bom homem. Não era perfeito, mas esmerava-se em dar o melhor para sua família e mulher. Janet, porém, percebeu que o casamento não era como nos romances televisionados. As lutas e as batalhas do dia-dia a desanimavam.

Até que a voz “do inimigo” soprou-lhe os ouvidos. As amigas de faculdade a incentivavam a ter uma vida mais “solta”. Diziam que sua vida “represada em casa” estava fora da realidade. 

Incentivavam-na a curtir mais a vida.
Aos poucos essas vozes começaram a tomar lugar no seu coração. Assim ela passou a agir diferente. Já não parava em casa, o filho foi ficando a própria mercê. O marido, sem compreender, tentava ajuda-la, mas tudo sempre acabava em briga. A relação começou a ficar distante. Noites seguidas de barzinho após a faculdade, de festas... O conselho dos amigos tomando cada vez mais lugar...

Até que, um dia, Janet decide abandonar o lar. “Vou curtir a vida”, dizia. O marido ficou pra trás. Não permitiu que levasse o filho. A guerra havia-se instaurado. Parece que tudo que Janet sonhava para sua vida agora tomava um novo corpo, um novo conceito.


 - UM LAMENTO PELAS CONSEQUÊNCIAS COLHIDAS:

A figura da galinha é algo emblemático nesse texto. Jesus estava expressando a vontade de Deus em abrigar e proteger seu povo dos perigos do pecado. Após esbravejar contra os fariseus e sua religiosidade, as próximas palavras de Jesus expressariam lamento e dor. Jesus não estava chorando pelo fato de ser rejeitado, mas pela opção de muitos de viver uma oca religiosidade ao invés de aceitarem sua mensagem. Mais tarde, por volta de 70 d.C., Jerusalém seria cercada por exércitos, e uma desolação que sobrepujaria até mesmo a mais horrível imaginação ocorreria dentro de seus muros, sobre suas ruas, e até mesmo no templo. Era a devastação já prevista por Jesus.

Fato é que, todas as vezes que o povo escolhido optou por suas próprias escolhas, as consequências foram nefastas. Todas as vezes que optamos em vivermos nossas próprias decisões, nos frustramos e ferimo-nos.

Voltemos a JANET. Agora com a vida que queria. Havia feito às escolhas que julgava necessária. Mas toda vez que encontrava seu filho, ironicamente ouvia a criança de 4 anos dizer: “Jesus te ama”. Isso passou a incomodá-la. Ao abordar o ex, descobriu que o mesmo havia dado um passo em direção a Cristo. ‘Você também precisa’, afirmava ele. JANET zombava e ria Dele, mostrando ao mesmo tempo uma intolerância pelo assunto. ‘Era só o que faltava agora, igreja... ’ falava sarcasticamente ela.

Mas sua vida não andava com esperava. Amigas que decepcionavam; homens que vinham e iam; tentativas de encontrar felicidade frustradas, saudades da convivência com o filho... Isso começou a leva-la para um abismo de depressão e álcool. Bebia todas. Em algum momento ela repensou suas decisões. Olhou para trás. Percebeu que nada era o que parecia.


 - O LAMENTO DE JESUS TERMINA QUANDO NOS VOLTAMOS PRA ELE:

JANET, em determinado momento da vida caiu em si. Quase um ano depois, lembrou-se do seu sonho de infância e viu o quão distante estava dele. Reavaliou sua antiga vida e viu que, mesmo com todas as batalhas que tinha, era infinitamente melhor do que aquele momento que vivia. Suas lágrimas começaram a descer. Seu coração agora doía. Pedia perdão a Deus e forças para se reerguer do poço profundo em que se encontrava.

Encorajada e decidida (apesar de temerosa), decidiu procurar seu ex-marido. Aquele homem quase gritou. Sua expressão era um misto de alegria, surpresa e medo. Os dois se abraçaram e começaram a se ver aos poucos. Ainda relutante, aceitou ir a um encontro na Igreja com ele. Naquela noite JANET se prostrou. Chorou copiosamente, reconheceu seu estado de pecadora e decidiu se entregar a Cristo. Clamou intensamente para que Ele refizesse sua casa, seu lar.

Com o passar do tempo e ação Divina, os dois reataram o enlace. Não obstante a tudo isso, o processo ainda fora longo e doloroso, afinal de contas eram os frutos de suas antigas escolhas. Mas, agora feliz e refeita, JANET se dispunha a enfrentar as novas batalhas com Cristo para que seu lar fosse reerguido.

Não espere que a vida seja sofrida ou permeada de sofrimentos provenientes da ausência de CRISTO. 
Volte-se para Ele. De ouvidos a Ele.

Pr. Marcelo Matias.
www.pastormatias.com

Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial

0 comentários:

Postar um comentário

Comenta! Elogia! Critica! É tudo para o Reino!

Considere apenas:
(1) Discordar não é problema. É solução, pois redunda em aprendizado! Contudo, com modos.

(2) A única coisa que eu não aceito é vir com a teologia do “não toque no ungido”, que isto é conversa para vendilhão dormir... Faça como os irmãos de Beréia e vá ver se o que lhe foi dito está na Palavra Deus!
(3)NÃO nos obrigamos a publicar comentários ANÔNIMOS.
(5) NÃO publicamos PALAVRÕES.

“Mais importante que ser evangélico é ser bíblico” - George Knight .

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Visite

Seguidores

Google+ Followers

+


Comentários em Artigos!

Total de visualizações

Blogroll

"Se o mundo vos odeia, sabei que, primeiro do que a vós outros, me odiou a mim." – Jo 15.18

Marcadores

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

top social

WebEvangelistas -Google+

top navigation

Siga por e-mail

Blog Archive

Pesquisar este blog

Teste Teste Teste Teste

Marcadores

Anuncio!!