15 de janeiro de 2012

Prefeitura De Manaus Superfatura Réveillon Gospel -


  • 0
     
Prefeitura de Manaus Superfatura Réveillon Gospel
Para René Terra Nova no Réveillon Gospel: um culto como “outro qualquer”
 Prefeitura de Manaus Superfatura Réveillon Gospel- Indícios de 130% de superfaturamento e gastos inconstitucionais levantam suspeitas sobre a realização do Réveillon Gospel, promovido pela Prefeitura Municipal de Manaus (PMM) no último dia 31 de dezembro. A prefeitura pagou R$ 160 mil pelo show do cantor gospel Thalles Roberto, mas a reportagem de A CRÍTICA apurou que o valor da apresentação é de, no máximo, R$ 60 mil. Para agravar ainda mais a situação, os gastos da Prefeitura são inconstitucionais, já que Estados e Municípios não podem bancar eventos religiosos de qualquer natureza.
O Réveillon Gospel foi realizado pela Prefeitura de Manaus em parceria com a Organização  dos Ministros Evangélicos do Estado do Amazonas (Omeam), entidade que reúne pastores de várias denominações religiosas. Segundo o presidente da entidade, Valdiberto Rocha, o acordo entre as partes era de que a Prefeitura forneceria toda a infraestrutura do evento. Caberia à Omeam usar sua penetração junto à comunidade religiosa para convidar fiéis, não recaindo sobre a entidade nenhum custo.
De acordo com o Diário Oficial do Município (DOM) do dia 27 de dezembro de 2011, a Prefeitura pagou, com dispensa de licitação, R$ 160 mil à empresa Fábrica de Eventos pelo show do cantor gospel Thalles Roberto.
Fazendo-se passar pelo representante de uma produtora artística, a reportagem de A CRÍTICA entrou em contato com o empresário de Thalles Roberto, conhecido no meio artístico como Doninha, para saber qual o custo de uma apresentação do artista. Doninha indicou seu representante no Amazonas, o empresário Naílton Campos, diretor da Di Campos Produções & Eventos.
Contas
Por e-mail, Nailton apresentou um orçamento com os custos do show do artista. A partir daí os indícios de superfaturamento começam a ficar claros. Segundo o empresário, o show de Thalles custa R$ 30 mil, mas se ele for pago por uma prefeitura, por exemplo, o valor sobe par R$ 60 mil.
Além do valor do cachê, Nailton incluiu no orçamento os custos das passagens áreas para oito pessoas, alimentação, transporte e aparelhagem de som.
Na última terça-feira, o Sindicato dos Músicos do Amazonas denunciou ao Ministério Público o superfaturamento na contratação de atrações nacionais para o Virada Cultural (em outubro/2011) e o Réveillon 2012. Ambos realizados pela PMM.
Informações: A CRÍTICA
P/S - é a famosa Un$$ão $uperfaturada, né não?
@ronybrandao
Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial

0 comentários:

Postar um comentário

Comenta! Elogia! Critica! É tudo para o Reino!

Considere apenas:
(1) Discordar não é problema. É solução, pois redunda em aprendizado! Contudo, com modos.

(2) A única coisa que eu não aceito é vir com a teologia do “não toque no ungido”, que isto é conversa para vendilhão dormir... Faça como os irmãos de Beréia e vá ver se o que lhe foi dito está na Palavra Deus!
(3)NÃO nos obrigamos a publicar comentários ANÔNIMOS.
(5) NÃO publicamos PALAVRÕES.

“Mais importante que ser evangélico é ser bíblico” - George Knight .

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Visite

Seguidores

Google+ Followers

+


Comentários em Artigos!

Total de visualizações

Blogroll

"Se o mundo vos odeia, sabei que, primeiro do que a vós outros, me odiou a mim." – Jo 15.18

Marcadores

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

top social

WebEvangelistas -Google+

top navigation

Siga por e-mail

Blog Archive

Pesquisar este blog

Teste Teste Teste Teste

Marcadores

Anuncio!!