11 de abril de 2017

Justiça torna Patrícia Lélis, que acusou Feliciano de estupro, ré por extorsão e denunciação caluniosa


A Justiça de São Paulo aceitou a denúncia feita contra a jornalista Patrícia Lélis pelo Ministério Público (MP) após a Polícia Civil indiciá-la por denunciação caluniosa e extorsão contra o então assessor do pastor e deputado Marco Feliciano (PSC-SP).
O juiz Carlos José Zulian agendou o interrogatório de Patrícia Lélis para o próximo dia 25 de maio, às 15h00, assim como o depoimento das testemunhas do caso. Nessa ocasião, caso o magistrado entenda que o caso foi esclarecido e a jornalista é culpada, ele já poderá emitir a sentença. As penas previstas vão de 6 a 20 anos de prisão.
A denúncia feita pelo MP e acolhida pela Justiça considera que Patrícia Lélis mentiu à Polícia Civil em agosto de 2016, quando alegou ter fugido de cativeiro preparado por Talma Bauer, então chefe de gabinete de Feliciano. Na mesma ocasião, acusou o pastor de estupro.
O Boletim de Ocorrência, registrado no 3º Distrito Policial (DP), abriu a possibilidade de investigação do caso, e o ex-assessor chegou a ser preso em flagrante, mas após prestar depoimento, foi liberado. Durante a averiguação dos fatos, o delegado Luiz Roberto Hellmeister chegou à conclusão de que a jornalista havia mentido.
De acordo com informações do G1, a 1ª Promotoria Criminal também acusou Patrícia Lélis de cobrar dinheiro de Bauer para gravar vídeos em São Paulo desmentindo a acusação de tentativa de estupro que ela fez contra o pastor Marco Feliciano. Segundo Bauer, o valor pago à jornalista foi R$ 20 mil, através de um amigo dela.
A eventual condenação de Patrícia Lélis nesse caso não elimina a investigação feita pela Procuradoria Geral da República (PGR) contra o pastor Feliciano, no caso em que ela o acusa de tentativa de estupro em Brasília. O caso corre em segredo de Justiça, e as partes não podem comentar detalhes sobre o caso.
No dia e hora em que a jornalista acusou o pastor pelo crime, Feliciano estava sendo recebido pelo ministro do Trabalho para uma reunião, e as câmeras da sede do Ministério o filmaram chegando ao local e saindo, posteriormente, para as sessões que a Câmara dos Deputados realizaria naquele dia.

Prisão

A Polícia Civil já havia pedido a prisão preventiva de Patrícia Lélis em setembro passado, quando ela foi indiciada por denunciação caluniosa e extorsão. No entanto, tanto o Ministério Público quanto a Justiça entenderam que tal medida era desnecessária. A defesa da jornalista, então, pediu a anulação do inquérito que a indiciou, mas a Justiça negou.
Procurada pelo portal de notícias da Globo, a jornalista afirmou, por e-mail, que o delegado Hellmeister não tem uma conduta exemplar, e insinuou que isso tire sua legitimidade no caso.
“O delegado que fez tal acusação carrega nas costas crimes bárbaros que aconteceram dentro da sua delegacia, como por exemplo o caso da Verônica Bolina, que foi brutalmente agredida dentro da própria delegacia”, escreveu, fazendo referência a um travesti que foi espancado em 2015.
“Tenho testemunhas que estavam presentes na delegacia, que vão dar testemunho ao meu favor, dizendo sobre a conduta do delegado, e sobre os inúmeros xingamentos que se refere a mim”, acrescentou Patrícia Lélis, sem comentar com objetividade as acusações de denunciação caluniosa e extorsão.
Uma das advogadas de Patrícia Lélis, Ana Ruas, afirmou que “a defesa confia no trabalho do judiciário, que fará uma análise pormenorizada dos fatos, respaldado nas provas devidamente produzidas durante a instrução criminal, sempre sob o crivo do contraditório e assegurados os princípios constitucionais assegurados pelo estado democrático de Direito”.
Ana Ruas divide a tarefa de defender Patrícia Lélis com a advogada Livia Novak, e reiterou sua confiança de que o caso será julgado de forma justa: “Vamos esperar o judiciário, que é ele que tem o poder de julgar o certo e o errado nesse momento”, concluiu Ruas.
Via: Gospel+
Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial

0 comentários:

Postar um comentário

Comenta! Elogia! Critica! É tudo para o Reino!

Considere apenas:
(1) Discordar não é problema. É solução, pois redunda em aprendizado! Contudo, com modos.

(2) A única coisa que eu não aceito é vir com a teologia do “não toque no ungido”, que isto é conversa para vendilhão dormir... Faça como os irmãos de Beréia e vá ver se o que lhe foi dito está na Palavra Deus!
(3)NÃO nos obrigamos a publicar comentários ANÔNIMOS.
(5) NÃO publicamos PALAVRÕES.

“Mais importante que ser evangélico é ser bíblico” - George Knight .

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Visite

Seguidores

Google+ Followers

+


Comentários em Artigos!

Total de visualizações

Blogroll

"Se o mundo vos odeia, sabei que, primeiro do que a vós outros, me odiou a mim." – Jo 15.18

Marcadores

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

top social

WebEvangelistas -Google+

top navigation

Siga por e-mail

Blog Archive

Pesquisar este blog

Teste Teste Teste Teste

Marcadores

Anuncio!!